Buscar
  • BDB Cultural

Educação para pessoas com deficiência intelectual é tema de mesa


  • Os desafios de ensinar alunos com deficiências intelectuais ou múltiplas são debatidos pelo professor Kobe Odaguiri e pelas escritoras Lair Franca e Lívia Borges


FOTO: Lívia Borges - Acervo pessoal


Há poucos anos, o diagnóstico era taxativo: pessoas com deficiência intelectuais não podiam aprender. Este cenário, porém, vem mudando graças ao trabalho de pessoas como as escritoras Lair Franca e Lívia Borges bem como o professor Kobe Odaguiri, que atuam diretamente com crianças com este laudo e descobrem inesperadas potências nelas. Os desafios, porém, ainda são grandes e muitos deles motivados pelo preconceito, como o trio deixa claro em um bate-papo que será exibido sábado, às 17h, nas redes sociais da BDB Cultural.


A mesa “Os desafios da educação na deficiência intelectual e múltipla” fará um percurso pela carreira destes três profissionais mostrando o que eles aprenderam ao longo de décadas convivendo diretamente com este público e sobre como um atendimento atencioso pode melhorar e muito a vida de estudantes com deficiência.


FOTO: Kobe Odaguiri - Acervo pessoal

“É difícil incluir quando não se sabe nem com o que se vai lidar. Existem muitos tipos diferentes de deficiência intelectual, dezenas de transtornos de aprendizagem... Temos que falar sobre isso. A inclusão não é colocar a pessoa com deficiência em um canto, é trazer para o centro do debate. Muitas políticas foram criadas para incluir, mas elas não abriram espaço para ouvir a pessoa com deficiência. Escutar o que ela deseja é o primeiro passo para contribuir”, diz o professor Kobe Odaguiri, da APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).


A escritora Lair Franca, que também é professora e atuou por mais de duas décadas na educação de pessoas com deficiência intelectual, completa: “Hoje, vejo que os professores se empenham em aprender, em atender esses alunos, mas é sempre um desafio. Precisamos das equipes de apoio, psicólogo, pedagogo e orientador, mas precisamos, acima de tudo, de cuidado com os diagnósticos. Não podemos rotular a criança a partir de seu laudo. Minha história Lentes mágicas é justamente sobre como a aprendizagem é atravessada por coisas que vão além do intelecto”, diz.


FOTO: Lair Franca - Acervo pessoal


Já Lívia Borges, escritora e psicóloga, traz para a mesa sua experiência não só de criar livros que debatam esta temática, mas também a experiência de mãe de uma menina com síndrome de down. “A convivência com a diferença, a diversidade, é importante não só para o indivíduo que está sendo incluído, mas também para toda a sociedade, que aprende e desenvolve capacidades que não sabia que necessitava antes desse convívio. Eu nunca escondi a presença da minha filha e te garanto que isso foi importante não só para a vida dela, mas como de todas as pessoas dentro do meu círculo”, conclui.

Sobre a BDB Cultural

A BDB Cultural é uma iniciativa do governo federal, por meio da Secretaria Especial de Cultura, do Ministério do Turismo, em parceria com a Biblioteca Demonstrativa do Brasil Maria da Conceição Moreira Salles (BDB) e, por meio de um termo de colaboração, com a organização social Voar Arte para a Infância e Juventude. A agenda que o projeto executará na BDB segue até março de 2022.

“Com a BDB Cultural, vamos renovar a prática de ser uma referência a outras bibliotecas do país para que elas possam abrir suas asas para voos mais altos e dar vida aos seus espaços”, diz o coordenador-geral da BDB Cultural, Marcos Linhares.

Para saber mais sobre os próximos cursos e eventos oferecidos, acompanhe as novidades da BDB Cultural no Youtube (https://www.youtube.com/c/BDBCultural), no Facebook (https://www.facebook.com/bdbcultural), Instagram (https://www.instagram.com/bdbcultural/) e no site www.bdbcultural.com.br da iniciativa.

Sobre os convidados

Lair Franca é professora, escritora e contadora de histórias. Tem especialização em psicopedagogia institucional e clínica, além de uma vivência de mais de 20 anos em salas de recursos atendendo alunos com necessidades especiais. Sua preocupação com a inclusão e o bem-estar de tais crianças é o que a motiva a escrever sobre o tema. Seu objetivo é incentivar outras pessoas a aceitar e a tratar com amor e respeito todas as pessoas com deficiência.


Kobe Odaguiri Enes é Diretor Social da Apae-DF. Atua há 25 anos na defesa dos direitos das pessoas com Deficiências Intelectual ou Múltiplas. Especialista em neuropedagogia com ênfases em psicanálise infantil, saúde mental e docência do ensino superior, é professor do Ensino Regular em Brasília.


Lívia Borges é escritora, psicóloga e advogada com especialização em Psicossomática Junguiana. Mestre em ciência política com foco em Direitos Humanos, Cidadania e Estudos sobre a Violência, faz parte da diretoria da associação DFDOWN.

Serviço:

BDB Cultural – Setembro de 2021

Mesa “Os desafios da educação na deficiência intelectual e múltipla” faz um debate sobre a inserção social de pessoas com deficiência especialmente no âmbito educacional. Participam do evento as escritoras Lair Franca e Lívia Borges e o professor Kobe Odaguiri.

18/9- Transmissão no Facebook e no Youtube da BDB Cultural a partir das 21h.

Outras informações:

Site www.bdbcultural.com.br

Facebook.com/bdbcultural

Instagram - @bdbcultural

7 visualizações0 comentário